sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Grupo Casais soma quarta distinção em apenas três meses

O Grupo Casais foi ontem distinguido com o prémio melhor empresa do setor de Construção, Infraestruturas, Transporte e Logística, na 4ª edição do estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano “Índice da Excelência 2019”, numa cerimónia que decorreu no Pestana Palace Lisboa Hotel & National Monument, em Lisboa. Ficou ainda em 9º lugar na categoria de “Grandes Empresas”. Este é o quarto reconhecimento atribuído à construtora portuguesa em apenas três meses, premiando, desta vez, a sua política de recursos humanos. Em novembro, a empresa conquistou dois prémios do jornal “Construir” – “Prémio Sustentabilidade” e, pelo terceiro ano consecutivo, “Melhor Construtora do Ano” – e o Prémio Millennium Horizontes Internacionalização, em que foi reconhecida pela sua atividade em 16 países estrangeiros, de onde provêm 74% do seu volume de negócios.

“O Grupo Casais tem vindo a implementar uma estratégia vertical que nos permite responder ao mercado atual, à nossa dispersão geográfica e às dificuldades que o setor enfrenta após uma crise severa e prolongada, nomeadamente, a falta de mão de obra. A nível interno, implementamos a ‘Cultura Casais”, que é fundamental para assegurarmos a coesão e o alinhamento com a estratégia organizacional numa empresa com 4.500 colaboradores, dispersos por 17 mercados. Fomentamos a mobilidade dos nossos trabalhadores, a formação contínua na ‘Academia Casais’ e a partilha de experiências entre eles para fazer face à escassez de mão de obra. A nível externo, estamos focados em projetos que nos permitam manter o nosso alto padrão de qualidade”, explica António Carlos Rodrigues, CEO do Grupo Casais. “Estes prémios são o reconhecimento e o produto dessa estratégia e, é por isso, que chegam das mais diversas áreas”, acrescenta.

Essencialmente, a estratégia seguida pelo Grupo Casais, nos últimos anos, de aposta nos recursos humanos, de verticalização de operações, de concentração no core business da construção, de reforço da internacionalização e, sobretudo, de aposta na criação, conservação e disseminação do conhecimento produzido na empresa transparece nas distinções que tem vindo a somar.

VOLUME DE NEGÓCIOS CRESCE 8%. EM 2020, MERCADO PORTUGUÊS DEVERÁ CRESCER
Atualmente, presente em 17 áreas geográficas – além de Portugal, Alemanha, Angola, Argélia, Bélgica, Brasil, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Estados Unidos, França, Gana, Gibraltar, Holanda, Marrocos, Moçambique, Qatar e Reino Unido –, o Grupo Casais atingiu, no ano passado, um volume de negócios agregado de 514 milhões de euros, 74% por cento dos quais provenientes da sua atividade internacional. Registou, assim, um crescimento de 8% face ao ano anterior. Angola e Portugal são os dois principais mercados da Casais, mas António Carlos Rodrigues antecipa que, em 2020, o volume de negócios em solo nacional deverá crescer.

“Estamos a crescer em Portugal, impulsionados pelo aumento da procura no setor privado, encontrando-nos particularmente envolvidos em tudo o que é edificação, nomeadamente nas áreas de escritórios, residencial e hoteleira. Tudo aponta para que este ano possamos solidificar a nossa atividade nas mesmas geografias em que estamos presentes, sendo que Portugal poderá voltar a ser o nosso maior mercado”, aponta CEO da Casais.

EXCELÊNCIA GLOBAL DA ORGANIZAÇÃO DE 71,9%
António Carlos Rodrigues não hesita em apontar a “boa equipa” como um dos pilares do sucesso do Grupo. “Temos hoje colaboradores de 23 nacionalidades e, na empresa, falam-se vários idiomas. No entanto, existe apenas uma cultura. Tal acontece porque temos uma boa equipa, que nos assegura uma grande capacidade de desmultiplicação”.

As conclusões do estudo “Índice da Excelência 2019”, desenvolvido pela Neves de Almeida | HR Consulting, em parceria com a Human Resources Portugal e o INDEG-ISCTE, em que o Grupo Casais participou pela primeira vez na categoria de Grandes Empresas, apontam para um Índice de Excelência Global de 71,9%, acima da média registada pelas 18 grandes empresas participantes, de 70%.

Entre as questões com maior desvio positivo face à média obtida pelas empresas inquiridas, destacam-se: “a minha organização aposta no desenvolvimento de programas de gestão de talento, procurando aferir/potenciar o potencial e motivações dos colaboradores”; “a minha organização consegue reter os mais competentes”; “na minha organização, os colaboradores sentem que podem confiar na alta direção”; “na minha organização, é frequente transferir-se aquilo que se faz bem numa área para outras áreas”; “na minha organização há um número de pessoas suficiente para o volume de trabalho que temos”; “a minha organização é conhecida por influenciar fortemente as novas tendências no mercado”; “a minha organização está muito empenhada na inovação”; “a minha organização promove ativamente a apresentação de ideias inovadoras por parte dos colaboradores”; “sinto os problemas da organização como se fossem meus”; e “a minha organização adapta-se rapidamente às tendências do setor”.

“Esta distinção vem confirmar a resposta a uma pergunta que nos fazem constantemente: o que fez a Casais de diferente para ter ultrapassado a crise que afetou todo o setor da construção? A Casais ultrapassou a crise porque deixou de ser uma empresa de construção e passou a ser uma empresa de gestão de pessoas. Quando passamos a fasquia de 1500 colaboradores passamos a ser uma empresa que constrói pessoas e são as pessoas que constroem obras. Nós construímos líderes em todas as funções e isso é que nos permitiu ultrapassar a crise”.










Seja o primeiro a comentar

Publicar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO