quinta-feira, 2 de maio de 2019

Obras na ponte internacional do Guadiana vão terminar em 2020, dois anos depois do previsto

As obras na ponte internacional do Guadiana, anunciadas em junho de 2017, deveriam ter terminado em 2018, mas problemas com um empreiteiro e danos detetados nos tirantes vão alargar os trabalhos até final de 2020, revelou a Infraestruturas de Portugal (IP). Após o incumprimento por parte da empresa adjudicatária, Soares da Costa, que se revelou incapaz de dar início aos trabalhos, a IP viu-se obrigada a proceder à resolução contratual, que ocorreu a 21 de dezembro de 2017.

A nova data de finalização da requalificação da ponte entre o Algarve e a região espanhola da Andaluzia foi avançada à agência Lusa pela IP.

Uma portaria publicada a 11 de abril em Diário da República autoriza a empresa "a proceder à repartição de encargos relativos ao contrato da Empreitada «IP1, KM 132+500, Ponte Internacional sobre o Rio Guadiana. Substituição do sistema de tirantes»".

Na portaria, as tutelas das finanças e do Planeamento e Infraestruturas dão autorização à IP para "proceder à repartição de encargos relativos ao contrato da Empreitada" até "ao montante global de 8,6 milhões de euros, dos quais 4,3 milhões de euros serão comparticipados pelo Reino de Espanha".
Refere ainda que: "os encargos orçamentais decorrentes da execução do contrato acima referido são repartidos da seguinte forma, não podendo exceder estes valores em cada ano económico: Em 2019: 3,612 milhões de euros; Em 2020: 4,988 milhões de euros".

A IP referiu que foi "necessário lançar um novo procedimento de concurso para a execução da empreitada, o que provocou o atraso do início da obra", e que "já na fase de desenvolvimento dos trabalhos, verificou-se a existência de uma maior amplitude e diversidade de elementos a intervencionar, tendo-se concluído pela necessidade de se proceder à substituição integral do sistema de tirantes existente na ponte".

"Esta situação só foi possível de detetar em fase de execução, após a desmontagem de elementos do sistema instalado, incluindo a realização de endoscopias ao interior dos tubos cofrantes e a medição dos respetivos desvios angulares dos tirantes", justificou a IP, acrescentando que teve que abrir "um procedimento de concurso complementar para a realização unicamente dos trabalhos de reabilitação dos tirantes" e proceder a "uma reprogramação dos trabalhos da empreitada, envolvendo duas intervenções em simultâneo, com novos planos que decorrerão em simultâneo durante o ano de 2019 e 2020".
Relativamente à segurança atual da ponte a IP assegura que "não obstante o prolongamento verificado relativamente à execução da empreitada, não se configuram riscos para a segurança de pessoas e bens na utilização da Ponte Internacional do Guadiana".










Seja o primeiro a comentar

Publicar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO