segunda-feira, 14 de maio de 2018

Garcia Garcia ultrapassa 53M€ de faturação registando crescimento de 21%

A Garcia Garcia, que recentemente renovou a sua imagem e naming, faturou em 2017 53 milhões de euros (M€), registando um crescimento de 21% face ao ano anterior. A empresa que, no ano passado, assinou projetos para empresas como Leica, ID Logistics, Nacex, bilstein group ou Groupe GM, acumula um crescimento de 116% desde 2016, ano em que o seu volume de negócios cresceu 95%.

Quando o mercado da construção se retraía e as associações representativas do setor anunciavam o colapso, a Garcia Garcia manteve a aposta num nicho em que o know-how acumulado de mais de cem anos seria uma mais-valia: design and build de unidades industriais e logísticas. Em plena crise, entre 2010 e 2013, a Garcia, Garcia cresceu 100%. E com uma carteira de obras exclusivamente em território nacional. Intervindo no processo desde a seleção da localização, a construtora contribuiu, desde então, para a fixação em Portugal de investimento estrangeiro, sobretudo, de empresas do ramo automóvel que têm apostado fortemente no país.

Diversificação do negócio
Nos últimos anos, a empresa tem investido na diversificação do seu negócio. Reflexo desta estratégia, foi a aposta em projetos do tipo logístico e residencial, com reforço do peso destes na carteira de negócio da empresa.

Em 2015, 83% dos projetos que a Garcia Garcia construía eram para o setor industrial. Nesse ano, o design and build de unidades logísticas representava um peso de apenas 15% no volume de negócios. Em função do referido investimento na diversificação, em 2017, verificou-se um reforço do peso de projetos logísticos (37%) e residenciais (7%), enquanto que os projectos industriais representaram 56%.
Os ramos automóvel e logístico têm contribuído significativamente para o crescimento da empresa que, em 2016, foi distinguida pelos Prémios Construir como a construtora do ano. As construções de unidades para a BorgWarner, Eurocast (em Arcos de Valdevez e em Estarreja) e Eurostyle e as ampliações das indústrias Uchiyama Manufacturing Corporation e Schmidt Light Metal Group são alguns exemplos de multinacionais do ramo automóvel que a Garcia Garcia ajudou a desenvolver em Portugal. Só este ano, em fase de construção, a Garcia Garcia tem já mais cinco projetos do ramo automóvel em curso.

Por sua vez, no setor logístico, são muitas as multinacionais a investir ou a reforçar o investimento em instalações. Nos últimos três anos, a Garcia desenvolveu projetos para empresas como Grupo Garland (só para esta empresa, a construtora construiu, remodelou e/ou ampliou quatro unidades), Brunotir, Brasmar, ID Logistics, Nacex, bilstein group e grupo ADI.

2017 assinala primeira internacionalização
O primeiro ano em que ultrapassou a barreira dos 50 M€ de faturação, ficou também marcado pela aposta na internacionalização. Apesar de já ter realizado projectos em França, a construção de uma unidade industrial em Kenitra, Marrocos, é o primeiro grande projeto industrial da Garcia em solo estrangeiro.

“Estamos a construir o edifício industrial da Steep Plastique, fornecedor da indústria automóvel, em Viana do Castelo. Em função do trabalho aqui desenvolvido, a empresa lançou-nos o desafio de replicarmos a parceria em Marrocos, desenhando e construindo uma nova fábrica neste país”, explica o administrador Miguel Garcia, que, adianta ainda que, fruto deste investimento, a construtora abriu uma filial em Casablanca.

Ampliação de parque empresarial da Ermida
A Garcia Garcia está a investir na ampliação do Parque Empresarial da Ermida, em Santo Tirso, do qual é proprietária. A expansão irá duplicar a área industrial do Parque, que passará dos atuais 22 para 50 hectares. A construtora detém ainda o Parque Empresarial de Mide, em Guimarães.

2018 arrancou de forma positiva para a Garcia Garcia que, neste momento, em função da carteira de obras em curso, antecipa já mais um ano de crescimento.










Seja o primeiro a comentar

Publicar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO