quinta-feira, 27 de junho de 2019

A nova sede da Isisi em Elche

Em Elche, a cidade com a maior produção de calçados na Espanha e uma referência para essa indústria em todo o mundo, Tomás Amat, Estúdio de Arquitetura, Pablo Belda + Tomás Amat, realizou o projeto de renovação dos escritórios da Isisi Trend Design S.L. Localizado no parque empresarial de Torrellano, a remodelação envolveu um trabalho de arquitetura, trabalho e design de interiores por seis meses, entre janeiro e agosto de 2018, com um orçamento total de 250 mil euros.

Isisi é uma empresa com 30 anos de experiência na fabricação de tecidos e adornos para calçados e artigos de couro. Formada por uma equipa de pessoas apaixonadas por moda, esta empresa trabalha produzindo para os seus clientes peças, têxteis, acessórios e complementos de tendência completa, com o fim de potenciar o sucesso de suas criações.
A Isisi preocupa-se com o desenvolvimento de projetos personalizados para cada cliente: projetos que incorporam laminados, tecidos e oxidado cores sofisticadas explosivos, bordados, ou ornamentos e enfeites de artesanato. Thomas Amat e Pablo Belda quiseram capturar esse espírito de empreendedorismo no projeto de remodelação, adaptando o espaço, não só para as necessidades da empresa, mas também para refletir a sua identidade e forma de trabalhar.

Os anos de experiência e tradição da ISISI também motivaram que o espaço se refira ao passado e à sua longa carreira, falando assim da profissão que há décadas desenvolvem na região e além.

Design e projeção do espaço
Uma empresa com este caráter precisava de um espaço global corporativo que fosse um espelho dessa personalidade. O atelier do arquiteto Tomás Amat e Pablo Belda liderou a remodelação dos escritórios da empresa, com uma área total de 550 m2, assim como o seu armazém e oficina de 930 m2.
Cada área, sala ou área de trabalho tem uma identidade individual, sem perder a singularidade e sentido de toda a área. Os arquitetos queriam respeitar no seu design as estruturas básicas do edifício, de uma grande marca industrial. Isto é o que eles mesmos apontam, quando disseram que mantiveram "a preexistência dos elementos encontrados; pavimentos, recintos laterais, cobertos com treliças metálicas e fachada exterior, intervindo exclusivamente no interior". Tomás Amat e Pablo Belda entenderam os limites espaciais como "um grande contentor no qual nosso programa se desenvolve". Assim, optaram pela permanência dos espaços originais da estrutura, como colunas de telhado ou tijolo branco. O telhado, com a sua altitude e design, juntamente com a sua cor preta, deu uma maior altura, profundidade e projeção a cada sala.

O primeiro andar tem uma forma retangular, com um único acesso numa extremidade. Na chegada, recebe-nos um mostrador de módulo único sólido e forte, feito em microcimento. Neste andar, encontramos a área de atendimento ao cliente, escritórios, oficinas de design ou salas de reuniões.
Tomás Amat e Pablo Belda optaram por sequenciar o espaço de trabalho "otimizando e regularizando a área que limita as atividades da própria empresa". A fórmula que eles usaram para isso foi inserir espaços dentro de espaços, "nos quais o residual forma os elementos de comunicação". Desta forma, elementos que poderiam colocar obstáculos, como os pilares presentes, foram utilizados para projetar as salas ligadas através de longos corredores.

Uma impressão arquitetónica própria
Os sinais deste projeto têm sido a predominância de linhas e linhas retas, organização e disposição de espaços diáfanos, claros e retangulares. Da mesma forma, o minimalismo é o elo comum que une a tradição e a vanguarda que se encontram e coexistem num equilíbrio delicado, mas sugestivo. São os distintivos desta nave reabilitada, reestruturada e reformulada com sucesso, nos quais o presente e o passado coexistem.

A sucessão e reunião de espaços é realizada através dos corredores, das estantes de tecido e das portas de correr. Desta forma todos os espaços são aproveitados ao máximo. Os quadros de tecido, como um particionamento flexível, bem como os quadros de vidro, foram feitos sob medida. Nas palavras dos arquitetos, "nós usamos uma estrutura ágil que configura o espaço, espaços de relacionamento, de troca, que permita locais de estudo, de informação, de exposição, de trabalho, que albergue o nosso programa e a transparência das suas ações com as suas atividades justapostas".

Os quadros de tecido e vidro dividem e delimitam os espaços, ajudam a refletir a luz, dando uma sensação de espaço e dando-lhes um ar de vanguarda. Algo que, além disso, contribui para que as formas e figuras possam ser adivinhadas através do tecido que abriga as molduras, criando sombras chinesas, criativas e divertidas, em constante movimento.

E o maior uso de luz (especialmente natural e, principalmente, nas áreas de design e de trabalho), tem sido uma das máximas que os arquitetos procuram, além da utilização do espaço acima mencionado através de uma melhor distribuição de zonas. Algo que foi conseguido graças à circulação de luz natural que permite as armações usadas que não atingem o teto, e que são translúcidas ou transparentes.
As luminárias com as quais a iluminação foi configurada desfrutam de um aspecto industrial graças aos trilhos suspensos e ao uso de exaustores industriais. Algo que suporta e reforça a distribuição do espaço, marcação, enquadramento e serviço a cada uma das salas. Sem dúvida, o trabalho de iluminação foi concebido com uma clara vocação estética: projetado para o milímetro, desenhando formas a partir da altura, criando padrões no teto... Um esquema que foi trabalhado de todos os ângulos.

Como os arquitetos acrescentam, "a transparência da atividade e a soma das informações sequenciadas determinam um dos nossos pontos de saída da proposta". Tudo somado, a remodelação é sinónimo de tantos aspetos da empresa.

A estética de uma profissão
Na remodelação, Tomás Amat e Pablo Belda não quiseram deixar nada ao acaso e não negligenciaram os usos e funções da Isisi.

Assim, a decoração e a mobília também têm um claro componente auto-referencial. "O uso do tecido, elemento fundamental desta empresa, entendemos que é nosso elemento fundamental para determinar os espaços e delimitar a atividade", acrescentam os responsáveis ​​pelo projeto. Em definitivo um espaço que, por si só, vai falar sobre a família do design que ele recebe.
Desta forma, as áreas de trabalho de estrutura e projeção moderna foram decoradas, no entanto, com móveis remanescentes dos quais, muitos de seus elementos, nos falam sobre o passado da profissão de sapateiro e a tradição da indústria calçadista.

Trata-se de móveis e escritório de design industrial, aspecto colonial e do sul, que está em contraste com a transparência e clareza de vidro e prateleiras com itens de tecido translúcido. Um mobiliário com grande presença de madeira como material puro e característico neste projeto. Tudo isso evoca e lembra a tradição desta indústria e, desta empresa em particular, ao mesmo tempo em que a rodeia de ares futuristas.
A palete cromática que predomina nas diferentes salas varia de tons verdes e brancos, a castanhos, bege e ocre em diferentes intensidades. Cores que nos remetem à natureza, e sobre as quais se destaca a presença de elementos como os padrões dos tecidos e que, por sua vez, adornam as diferentes salas.

O design com um toque industrial prevalece até nas estruturas destinadas à organização e armazenamento, como evidenciado pelos armários industriais onde os tecidos são armazenados. E tudo isso, numa empresa que está comprometida em projetar calçados, diferenciação e qualidade, como um valor agregado.










Seja o primeiro a comentar

Publicar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO