quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Leica confia reabilitação e comercialização de edifício histórico a Garcia, Garcia e Predibisa

O número 48-52 da Rua de Sá da Bandeira, em pleno Centro Histórico do Porto, está a ser reabilitado pela Garcia, Garcia e já é a morada, desde 1 de dezembro, da loja da icónica marca Leica, a primeira na Península Ibérica. A construtora portuguesa, considerada a melhor do ano de 2016 pelos Prémios Construir, é responsável pelas obras de reabilitação que, para além da loja e da galeria já abertas ao público, prevê ainda a renovação dos pisos superiores do edifício. Estes serão destinados a habitações de luxo, encontrando-se já em fase de comercialização pela Predibisa, consultora imobiliária com mais de 25 anos de experiência no mercado imobiliário do norte do país.

Após ter sido selecionada para a conceção e construção da fábrica da Leica em Famalicão – obra de elevada exigência técnica - na qual se destacam as clean rooms, ambientes controlados de produção que asseguram o cumprimento das rigorosas normas de qualidade associadas à marca alemã –, a Garcia, Garcia volta a merecer a confiança da multinacional alemã para a reabilitação do edifício histórico, exemplar ímpar da arquitetura do início do século passado e que serviu de morada ao mítico Café Excelsior.

Recorde-se que, em 2012, a Leica transferiu-se da antiga unidade em que esteve instalada 40 anos para uma outra, construída de raiz, a apenas três quilómetros da antiga fábrica. Em março do ano seguinte, o Presidente da República à data, Aníbal Cavaco Silva inaugurava o investimento de 22,5 milhões de euros.
Volvidos cerca de três anos, a Leica voltou a apostar em Portugal ao decidir instalar em pleno centro histórico do Porto a sua primeira loja na Península Ibérica e ao confiar a sua construção e comercialização a duas empresas portuguesas.

Ambicioso projeto de reabilitação integral

A obra arrancou em maio passado, estando prevista a sua conclusão total no final do primeiro semestre deste ano. A inauguração da Leica Store, com cerca de 105 metros quadrados, foi assinalada no primeiro de dezembro de 2016, com a inauguração da exposição “Homage in black and white to Porto”, na Galeria integrada na loja, com fotos de Daniel Rodrigues, vencedor do World Press Photo, capturadas com uma Leica M Monochrom.

A Garcia, Garcia assumiu o ambicioso projeto de reabilitação integral do edifício na baixa portuense, no qual se destaca a fachada ornamentada e interiores trabalhados e que é composto por cave, rés-do-chão comercial, três pisos e um piso recuado na cobertura.

A Leica Store ocupa cave, rés-do-chão e primeiro piso, integrando uma galeria de exposições, uma loja onde é possível encontrar os equipamentos fotográficos e óticos da lendária marca que, nos últimos 100 anos, eternizou para a posterioridade alguns dos momentos mais importantes da História mundial, e um pequeno espaço de café a evocar o período áureo do Excelsior, local de encontro de alguns dos maiores pensadores portuenses da primeira metade do século passado. Por sua vez, o piso 1 é ocupado pela Academia Leica, onde serão desenvolvidos workshops e formações de fotografia.

Nos pisos superiores estão a ser construídos apartamentos de luxo, cuja comercialização foi entregue à Predibisa, cuja parceria com a Garcia, Garcia já se estendeu a outros projetos de multinacionais em território nacional, como BorgWarner ou WEG.

“Para a Garcia, é extremamente gratificante voltar a colaborar com a Leica, sobretudo pelo grau de especialização que tanto a fábrica, como a reabilitação deste edifício histórico nos exigiram. Foram vários os desafios que nos foram impostos neste projeto, a começar pelo reduzido tempo de execução, de apenas sete meses, em função da necessidade imperativa de cumprir com a data de inauguração a 1 de dezembro”, admite Carlos Garcia, administrador da construtora nacional. Além disso, “os pisos superiores e a cobertura do edifício encontravam-se em avançado estado de degradação, implicando uma reabilitação integral dos espaços”, acrescenta o responsável.

Assim, e de modo a respeitar a história e arquitetura do edifício, a Garcia delineou um plano de execução, com recurso às mais modernas técnicas da construção e reabilitação, que permitiu a demolição dos pisos superiores, sem danificar o teto e as paredes da loja, ricas em molduras, na sua maioria ainda originais.
No piso comercial, o restauro das decorações interiores em gesso (tetos e paredes), finamente trabalhadas, e a manutenção dos aspetos mais emblemáticos do antigo Café Excelsior, foram igualmente desafios superados nesta reabilitação. A fachada foi preservada, sendo restauradas as serralharias e caixilharias, de modo a manter o traço histórico do prédio. Na loja, a preservação do património arquitetónico existente nos seus elementos românticos e decorativos contrastam com o mobiliário moderno e os ecrãs LED de exposição da Leica.

Habitação de luxo na Baixa do Porto

O projeto, que adapta os pisos superiores do edifício ao segmento residencial, agrega habitações de luxo,.com áreas de 145m2 e tipologia T3, contribuindo para voltar a povoar a Baixa do Porto de famílias.

Ao nível da arquitetura, os novos apartamentos conciliam a preservação de elementos históricos do edifício, como a fachada e os vãos, com a modernidade conferida pelo uso de soalho corrido e caixilhos negros e brancos de madeira.

“Este negócio revelou-se muito importante ao contribuir para o dinamismo do Centro do Porto, não só pelo facto da Leica ser uma flagship store, mas também pelo cuidado que os investidores tiveram na reabilitação do edifício como um todo, contrariando o cenário tradicional dos edifícios envolventes: manutenção da área comercial, mas abandono dos pisos superiores.

Este conceito associado ao aluguer de apartamentos de longa duração, tipologia T3, permitirá também a fixação de famílias na Baixa.” afirma João Leite Castro, responsável da Predibisa pelo negócio.







Seja o primeiro a comentar

Enviar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO