sexta-feira, 22 de julho de 2011

Haverá reviravolta na situação do TGV?

A construção da linha de alta velocidade é um tema que tem dividido os portugueses ao longo dos últimos anos. De um lado estão os que apostam nas vantagens que a construção da linha de alta velocidade teria, do outro os que não visualizam essas vantagem, ou que se as visualizam, acham que as desvantagens serão mais intensas e portanto esta não é a altura para avançar para um projecto desta envergadura. A nível politico também são conhecidas as divisões sobre este tema, o ex-Primeiro Ministro José Sócrates era um entusiasta do TGV, enquanto que o PSD apareceu sempre com diversas dúvidas sobre o tempo para se avançar com este projecto. Passos Coelho na campanha das últimas legislativas deixou no ar a ideia de que iria suspender a construção da linha de alta velocidade para tempos mais oportunos, tendo inclusive integrado a medida no programa de governo, mas surge agora a dúvida do que irá ser feito. A decisão, segundo a edição de hoje do SOL, passará agora por Passos Coelho e Vítor Gaspar. Deixamos de seguida a notícia do SOL sobre este assunto.

Trabalhos na linha Poceirão-Caia estão «completamente» parados, com empresas à espera de clarificação do Executivo. Tribunal de Contas afasta possíveis indemnizações

O administrador da empresa portuguesa detida pela brasileira Andrade Gutierrez diz estar «na expectativa de que, dentro deste novo quadro político e económico, seja encontrada uma solução». Já o presidente da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário, Reis Campos, explica ao SOL que as empresas estão «a enfrentar um problema político».

Acontece que o poder de decisão sobre a continuidade ou não deste projecto está agora nas mãos do novo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e do ministro das Finanças, Vítor Gaspar. Todas as entidades envolvidas estão à espera de orientações e nem mesmo o Ministério da Economia, que tem a tutela das obras públicas, terá a palavra final. Fonte oficial do gabinete de Álvaro Santos Pereira disse ao_SOL que o ministro aguarda orientações de S. Bento e do Terreiro do Paço.

No Programa do_Governo, o_Executivo compromete-se a «suspender o projecto de alta velocidade Lisboa – Madrid», mas deixa a porta aberta à sua continuidade. «Poderá sujeitar-se o projecto a uma reavaliação, incluindo o seu conteúdo e calendário, numa óptica de optimização de custos», lê-se no documento.

O financiamento para a construção da linha já está assegurado, com o Banco Europeu de Investimento a garantir 600 milhões de euros e os fundos europeus do_QREN e da rede transeuropeia de transportes mais 662 milhões, ou seja, três quartos do total.O restante montante será assegurado pelo_Estado português – 116 milhões –, pela empresa pública REFER – 60 milhões –, pela banca comercial – 90 milhões – e por fundos próprios do consórcio – 150 milhões.

Fonte: SOL









Seja o primeiro a comentar

Enviar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO