segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Procura-se casa: viva ou morta!

O filme “Procura-se Casa: Morta ou Viva”, é a proposta da Building Pictures para a exposição “Ideias em Confronto 20X20” que mostra, de forma divertida, a dificuldade em procurar Casa na cidade do Porto, que começa com a frase mais conhecida dos filmes Westerns.

Carlos, a personagem principal, é o Pavilhão Carlos Ramos da FAUP (Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto), desenhado pelo arquitecto Siza Vieira e que no filme ganha vida própria. As janelas transformam-se em olhos e boca, e a pala de ensombreamento em nariz.

É através deste edifício falante, que estabelece diálogo com o espectador, que vamos tomando conta das dificuldades envolvidas na procura de casa para alugar ou comprar no Porto, devido ao elevado número de turistas que a cidade tem vindo a registar nos ultimos três anos.

A maior parte das habitações transformaram-se em hotéis, hostéis e Airbnbs, levando Carlos, durante o filme, a questionar: “Será que uma Casa, pode ser chamada de Casa, se as pessoas vivem nela apenas dois ou três dias?”.

O filme é baseado na experiência de Sara Nunes, realizadora da Building Pictures, que na procura de Casa no Porto, sentiu que estas fugiam como criminosas e que era preciso ser cowboy ou agente 007 para conseguir encontrar uma com área, preço, localização e arquitectura certas e reservar antes das centenas de pessoas que procuram habitação na cidade.

“O que está de errado na (tua) casa?” é a pergunta que os organizadores da exposição colocaram aos convidados e que a Building Pictures responde através deste filme pela “boca” de Carlos: “Será que terei de me transformar num turista, para viver na minha própria cidade?” “E quantas Casas, que posso chamar de Casas existirão no Porto? Umas 100? Hum… 10? 5?”









Seja o primeiro a comentar

Enviar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO