quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Bosch reduz consumo de energia

A Bosch está a fazer progressos no que toca à proteção do clima. Desde 2007, a empresa conseguiu reduzir a emissão de C02 relacionada com o valor acrescentado em mais de 20 por cento graças à adoção de várias medidas de poupança de energia, como o recurso a tecnologias de produção amigas do ambiente e à instalação de tecnologia de aquecimento eficiente nos edifícios. “A conservação dos recursos e a redução de CO2 fazem parte da nossa responsabilidade social enquanto empresários. Através da utilização de tecnologia de poupança de energia inteligente, a indústria pode dar um contributo significativo para a proteção do clima”, disse Werner Struth, membro do conselho de administração da Bosch responsável pela proteção ambiental.

As medidas que visam a poupança de energia serão expandidas no futuro. Contudo, a eficiência energética não só beneficia a sociedade e o ambiente, mas é também um fator determinante para as empresas alcançarem vantagens competitivas, segundo Struth. Para a Bosch, o baixo consumo de energia já está a ser vantajoso financeiramente. Entre 2007 e 2014, a empresa poupou cerca de 350 milhões de euros em custos energéticos através das medidas adotadas internamente.

Coordenadores de CO2 analisam o consumo de energia
A Bosch implementou diversos projetos que visam fornecer-se com energias renováveis. Por exemplo, atualmente uma instalação hidroelétrica moderna fornece energia à unidade fabril de Blaichach, na Alemanha. Esta unidade produz cerca de três quartos da energia de que necessita. Em várias localizações da Bosch, coordenadores especializados em CO2 procuram formas de poupar energia. Estes especialistas e a suas equipas analisam, por exemplo, o consumo de energia nas fábricas. A informação recolhida permite a redução do consumo de eletricidade e de calor com medidas simples como o desligar de pontos de consumo que não estejam a ser utilizados. A Bosch também fornece muitas das suas soluções para mais eficiência energética a clientes industriais, que chegam a atingir poupanças de energia da ordem dos 30 por cento.

Alguns exemplos de como a Bosch está a poupar energia:

Centro de Investigação e Desenvolvimento em Renningen, Alemanha: telhados verdes para controlo da temperatura e matrizes fotovoltaicas

O novo centro de I&D da Bosch em Renningen tem telhados verdes, que funcionam como uma esponja que absorve a água da chuva, libertando-a depois em pequenas quantidades nos períodos secos. A incidência dos raios solares nas superfícies verdes em vez de diretamente nos telhados poupa energia nos sistemas de climatização no interior dos edifícios. Para poupar ainda mais energia, todas as janelas do edifício principal têm vidros triplos. O edifício está também equipado com um sistema de proteção solar que se baixa automaticamente com luz solar intensa. Esta combinação reduz o consumo de energia entre 20 a 30 por cento – energia que, de outra forma, o sistema de ar condicionado teria usado para refrigerar. Adicionalmente, as matrizes de células fotovoltaicas nos telhados dos edifícios geram tanta energia como o equivalente ao consumo anual de 100 famílias, reduzindo assim as emissões de CO2 em cerca de 200 toneladas cúbicas por ano.
Beringen, Suíça: utilização de águas térmicas subterrâneas
Na unidade de Tecnologia de Embalagem, em Beringen, na Suíça, um edifício moderno é aquecido com a ajuda de uma bacia de água quente subterrânea. Neste sistema, bombas extraem de uma profundidade de 40 metros mais de 2.000 litros de águas subterrâneas por minuto, transportando-os para duas bombas de calor que os aquecem através de conversão de energia. No Verão, é possível arrefecer o edifício através da utilização direta da água, uma vez que a sua temperatura, a rondar os 12ºC, é significativamente mais baixa que a temperatura interior da construção. Para isso, a água subterrânea é aquecida num sistema de circuito fechado através de um permutador de calor e, depois, devolvida para baixo da superfície. O edifício está em conformidade com a norma Minergie, um selo de qualidade suíço para edifícios com energia otimizada. O edifício moderno e a água subterrânea poupam 180.000 litros de óleo de aquecimento e cerca de 480 toneladas cúbicas de CO2 por ano em aquecimento e arrefecimento. Para retirar do ar esta quantidade de CO2 seria necessário plantar aproximadamente 35.000 árvores.

Worcester, Reino Unido: reciclagem de água
Na unidade de Termotecnologia em Worcester, no Reino Unido, um novo sistema de reciclagem de água está a ajudar a garantir a eficiência e a conservação de recursos na produção. Anualmente, a unidade precisa de cerca de 110 milhões de litros de água para I&D, nas suas instalações de testes de longa duração, e para a produção. O novo sistema de reciclagem torna possível a reutilização da água de arrefecimento a partir das instalações fabris. O sistema de reciclagem poupa 12 toneladas cúbicas de CO2 e cerca de 71 milhões de litros de água anualmente – o que corresponde, aproximadamente, ao consumo de água de 650 habitações.
Schweinfurt, Alemanha: sistemas de extração combinados
A fábrica Bosch Rexroth em Schweinfurt, na Alemanha, reduziu o seu consumo de energia em cerca de 4 gigawatts/hora por ano, o que corresponde aproximadamente ao consumo de energia de 1.100 habitações. As emissões de CO2 reduziram-se em mais de 1.500 toneladas cúbicas. A combinação de sistemas de extração dos ‘moedores’, que tinham antes sido separados, contribui em muito para a concretização dessas poupanças. Como grandes aspiradores de pó, eles retiram fumos e vapores dos lubrificantes de refrigeração. Os lubrificantes de refrigeração são necessários para arrefecer e lubrificar os discos de moagem usados no fabrico e processamento de peças. O ar de escape de vários sistemas flui através de tubos para alguns filtros maiores. Graças ao motor regulador, os ventiladores extraem apenas o ar necessário.

Mellansel, Suécia: tecnologia de pintura energeticamente eficiente

Uma das oficinas de pintura mais flexível e amiga do ambiente do setor da engenharia mecânica europeia está em Mellansel, na Suécia. A maquinaria pintada nesta unidade da Bosch Rexroth inclui motores hidráulicos pesados para centrais de reciclagem e mineração. Os motores, que entram, de seguida, em contacto com água salgada, são revestidos com várias camadas anti corrosão e de impermeabilização. A temperatura e a mistura de águas e pigmentos de cor são monitorados de perto para que o calor excedentário seja recuperado. Em resultado, o consumo de energia é 75 por cento mais baixo que anteriormente. A alteração para pintura à base de água também reduziu o uso de solventes em cerca de 80 por cento.

Nuremberga, Alemanha: tanque de óleo convertido em moderna unidade de armazenamento de frio
A fábrica de Nuremberga converteu um antigo tanque de óleo numa unidade de armazenamento de frio. Em associação com sistemas de refrigeração, contribuiu para um arrefecimento eficiente em termos de energia de lubrificantes. Estes lubrificantes são usados para combater o calor criado durante o torneamento e a fresagem das peças. O sistema de refrigeração arrefece a água previamente. Como refrigerador, a água mantém-se a uma temperatura constante no tanque de armazenamento da unidade de refrigeração e também utiliza a temperatura ambiente para arrefecer o próprio tanque. Ao proceder desta forma, o tanque convertido poupa cerca de 300 toneladas cúbicas de CO2 por ano. Para recolher do ar esta quantidade de CO2 seria necessário plantar uma floresta com a dimensão aproximada de 30 campos de futebol.

Estugarda-Feuerbach, Alemanha: máquinas de limpeza adaptadas à produção de bombas de injeção a gasóleo

A unidade de Feuerbach produz bombas de injeção a gasóleo que são usadas nas injeções de combustível dos veículos. Antes da montagem destas bombas de injeção a gasóleo, os locais têm de ser limpos várias vezes para retirar as partículas de gordura e sujidades, um procedimento que pode, por exemplo, ser realizado entre o processamento de moagem e o endurecimento. Para o fazer, as máquinas de limpeza lavam as partes em banhos quentes, cujas temperaturas foram reduzidas de 60 para 50 graus celsius sem afetar a qualidade de fabrico. Adicionalmente, a água quente gerada pelos sistemas de ar condicionado dos edifícios é usada para aquecer os banhos. Só isto permite poupar cerca de 100 toneladas cúbicas de CO2 por ano. Quando as peças estão a ser limpas, o sistema muda automaticamente para modo de espera. Estas ações permitem à fábrica poupar cerca de 2.100 megawatt/hora de energia por ano - aproximadamente a mesma quantidade que uma turbina de tamanho médio geraria no mesmo período.







Seja o primeiro a comentar

Enviar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO