quinta-feira, 12 de junho de 2014

Banco luso presente de norte a sul de Portugal celebra 80 anos de vida

O “Banco nº1” da Alba, presente em praças e jardins de diversas vilas e cidades portuguesas, celebra este mês 80 anos. Oito décadas depois, e com mais de 20 mil unidades produzidas, o “Banco nº1” da Alba continua a ser prescrito pelas autarquias para o espaço público e o uso dos cidadãos. A mais recente cidade a receber os simbólicos bancos foi a Marinha Grande para o Jardim Luís de Camões, no centro da cidade.

Este equipamento de mobiliário urbano, que se apresenta em cores como o vermelho ou o verde, faz parte da memória coletiva e da identidade cultural nacionais. A fisionomia, as cores das réguas de madeira, os pés prateados e os baixos relevos do logótipo pintados na cor da madeira, mantêm-se inalterados. Permanecem ainda as duas versões - bancos simples e duplos (costas com costas) - nas medidas de 1,40cm e 2m.

A autoria do banco é de Augusto Martins Pereira (1885-1960), fundador da ALBA, que implementou os seus conhecimento na arte da fundição em Boston, nos Estados Unidos da América.

Nos anos 40, o “Banco nº 1” da Alba iniciou a internacionalização, com a exportação direta para os PALOP’s, nomeadamente Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné Bissau.

Foi um dos produtos mais vendidos da Alba, que se destacou pela inovação e o amplo leque de produtos. A metalúrgica produzia equipamentos urbanos e domésticos - colunas de iluminação em ferro fundido, tampas e grelhas de saneamento, postos de incêndio e rega, loiça em alumínio, ferros de engomar a carvão, fogões a lenha ou salamandras, entre outros. Mais de 30 mil moldes fazem parte da história da indústria portuguesa. Para além das soluções para o espaço urbano e para a casa, a Alba fabricou o único automóvel português, cujo motor foi igualmente produzido em Portugal, atualmente em exposição no Museu do Caramulo.
Pedro Martins Pereira, bisneto do fundador e responsável pelo atual relançamento da marca, afirma que “não são facilmente perceptíveis as razões para o sucesso do “Banco nº1” ao longo destes 80 anos. A empresa não era propriamente reconhecida por apresentar os preços mais baixos. Era, sim, pela qualidade dos seus produtos, em termos de resistência e da “pele”, ou seja, o bom aspeto superficial dos componentes fundidos. Surpreendentemente, apesar de inserir com ostentação o logótipo da marca, assumiu-se rapidamente como uma peça de mobiliário comum a todo o território nacional”.

A Alba está hoje integrada no grupo Larus e encerrou 2013 com um volume de vendas próximo dos 500 mil euros, registando um crescimento de 32%, relativamente ao ano anterior. Para 2014, a empresa estima crescer 20% e estrear-se na internacionalização nos mercados de Angola e Marrocos. Durante este ano, a Alba irá reeditar produtos nas áreas de Aquecimento, Águas e Mobiliário Urbano tradicional.









Seja o primeiro a comentar

Enviar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO